UnC Handebol joga no sábado pela Liga

13

Em mais um jogo válido pela Liga Nacional 2017, equipe de handebol feminino da AAU – UnC Concórdia recebe neste sábado a tarde (16h), em seus domínios a UNIP São Bernardo (ex Metodista), e que até o momento tem 100% de aproveitamento na competição.

Para o técnico Alexandre Schneider, esse será o jogo mais difícil desta fase de classificação.
“A ex equipe da Metodista, hoje UNIP, se reforçou em relação do ano passado e eu creio que o grupo de trabalho dela esteja melhor do que em 2016. Então é um jogo muito difícil, onde para que possamos nos manter competitivos durante o jogo nós teremos que não errar muito. Jogar sempre em um nível mais alto para que possamos quem sabe, buscar um resultado favorável. Claro que o fator casa, o fator torcida, foi importante no jogo contra Guarulhos e eu creio que vai ser novamente. Mas sem dúvidas, é o jogo mais difícil que nós teremos nesta fase”.

Schneider diz que a equipe da AAU não tem a responsabilidade de vencer. Para ele a decisão da classificação para a próxima fase será feita nos dois jogos contra as equipes do Paraná e no jogo contra Blumenau.
“Isso nos dá uma certa tranquilidade em função das vitórias que nós temos até agora” – salientou Schneider.

Mas isso não significa que a AAU não entre em quadra para vencer.
“É muito pelo contrário. Queremos fazer um bom jogo, ter uma eficiência grande durante todo o período para que possamos nos manter competitivos até o final da partida. É neste sentido que viemos trabalhando, tentando todos os dias diminuir os erros que ocorreram nos últimos jogos” – afirma o técnico Alexandre.

A UNIP São Bernardo trará sob suas traves a goleira Jéssica Oliveira, que até o ano passado defendia as cores concordienses na Liga Nacional. Esse será o primeiro encontro da arqueira contra sua ex equipe, e sobre isso o técnico foi afirmativo:

“É uma grande goleira. Vejo que hoje no Brasil é a melhor goleira que nós temos, apesar de ter a Ariadne (Guarulhos), mas a Jéssica faz parte do elenco da Seleção Brasileira e conhece muito as nossas jogadoras, apesar de nós a conhecermos também. Então teremos que saber aproveitar a situação de conhecer ela, a técnica de movimento dela, para que possamos ser eficientes em nossos arremessos. Mas é claro que a gente sente muito vendo ela hoje do lado contrário, e temos certeza que para ela também será muito difícil jogar contra nossa equipe, já que ela possui um histórico vitorioso dentro do grupo”.
(assessoria Handebol)